MASIGNCLEAN101

Piauí registra o 7º caso de Febre do Nilo, diz Sesapi

A Secretaria de Saúde do Estado divulgou nesta terça-feira, dia 28, que o Piauí registrou seu sétimo caso de Febre do Nilo Ocidental. O paciente é um jovem que sofreu um quadro de meningoencefalite e foi internado no Instituto de Doenças Tropicais Natan Portela, em Teresina – PI, em fevereiro de 2020.
Segundo a Sesapi, o paciente recebeu alta com melhora clínica. O jovem reside na zona urbana de Água Branca e os sintomas teriam iniciado durante sua estadia em São Paulo.
Ainda de acordo com a Sesapi, os outros seis casos correspondem a pacientes residentes nos munícios de Aroeiras do Itaim (2014), Picos (2017), Piripiri (2017), Lagoa Alegre (2019), Teresina (2019) e Amarante (2019). Casos em animais já foram registrados no Brasil, nos estados do Espírito Santo (2018), Ceará (2019) e São Paulo (2019).
A Saúde disse que, desde 2013, monitora ativamente todos os casos suspeitos da doença.
“O Instituto de Doenças Tropicais Natan Portella é o hospital de referência para diagnóstico e tratamento dos casos. As medidas de prevenção recomendadas são semelhantes àquelas recomendas contra dengue, Zika e chikungunya: evitar a proliferação de criadouros e o contato com mosquitos transmissores”, informou a Sesapi em nota.
O que é Febre do Nilo Ocidental?
A Febre do Nilo Ocidental (FNO) é uma infecção viral causada por um arbovírus (mosquito), assim como Dengue, Zika, Chikungunya e a Febre do Mayaro. Os fatores de risco estão relacionados à presença do ser humano em áreas rurais e silvestres que contenham o mosquito infectado e que, por ventura, venha a picar estes seres humanos.
A doença pode ser assintomática ou apresentar sintomas distintos, de acordo com cada pessoa e com o nível de gravidade da doença. No caso desta infecção, a causa é o vírus do gênero Flavivirus, família Flaviviridae, assim como os vírus da Dengue e da Febre Amarela.Como a Febre do Nilo Ocidental é transmitida?
O vírus da Febre do Nilo Ocidental é transmitido por meio da picada de mosquitos infectados, principalmente do gênero Culex (pernilongo). Os hospedeiros naturais são algumas espécies de aves silvestres, que atuam como amplificadoras do vírus e como fonte de infecção para os mosquitos.Também pode infectar humanos, equinos, primatas e outros mamíferos. O homem e os equídeos são considerados hospedeiros acidentais e terminais, uma vez que a contaminação do vírus se dá por curto período de tempo e em níveis insuficientes para infectar mosquitos, encerrando o ciclo de transmissão.
Outras formas mais raras de transmissão já foram relatadas e incluem transfusão sanguínea, transplante de órgãos, aleitamento materno e transmissão transplacentária.
Quais são os sintomas da Febre do Nilo Ocidental?
Estima-se que 20% dos indivíduos infectados pelo vírus da Febre do Nilo Ocidental desenvolvam sintomas, na maioria das vezes leves e até mesmo nem apresentem qualquer sintoma. A forma leve da doença caracteriza-se pelos seguintes sinais:
Febre aguda de início abrupto, frequentemente acompanhada de mal-estar;• anorexia;• náusea;• vômito;• dor nos olhos;• dor de cabeça;• dor muscular;• exantema máculo-papular e linfoadenopatia.
O período de incubação intrínseca – tempo entre a infecção do hospedeiro e a manifestação de sinais e sintomas – nos humanos varia de 3 a 14 dias após a picada do mosquito e pode apresentar manifestação subclínica ou com sintomatologia de distintos graus de gravidade, variando desde febre passageira – acompanhada ou não de mialgia (dor muscular) – até sinais e sintomas de acometimento do sistema nervoso central com encefalite ou meningoencefalite grave.
Um em cada 150 indivíduos infectados desenvolve doença neurológica severa (meningite, encefalite ou poliomielite). A encefalite é o quadro mais comum entre as manifestações cerebrais. Em menos de 1% das pessoas infectadas, o vírus causa uma infecção neurológica grave, incluindo inflamação do cérebro (encefalite) e das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal (meningite). A Síndrome de Guillain Barré também pode se apresentar, assim como em outros tipos de infecção.
As formas mais graves ocorrem com maior frequência em indivíduos com idade superior a 50. Se não tratada corretamente, em casos raríssimos a Febre do Nilo Ocidental pode matar.
Com informações do Fala Piauí

Veja Mais

Fique em casa, nós levamos as notícias até você...