Francinaldo Publicidades - Guadalupe

Perfil de Maria Regina Sousa...

Nascida na cidade de União em uma família de 14 irmãos, Maria Regina Sousa, 71 anos, foi a primeira mulher a assumir o Senado pelo Piauí. Em 2018, foi eleita vice-governadora do Estado do Piauí ao lado de Wellington Dias. Tem como meta trazer para a centralidade da pauta do governo a temática dos Direitos Humanos e Meio Ambiente, assim como fez enquanto Senadora da República, em que participou das Comissões Técnicas que discutiam esses assuntos no Senado Federal, onde presidiu a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa.

Filha do trabalhador rural Raimundo Sousa Miranda, já falecido, e da dona de casa Maria da Conceição Silva Miranda, aos 10 anos já sabia plantar e colher feijão, milho e fava. Foi quebradeira de coco e observando o que acontecia com seus pais, que moravam em terra alheia, ainda menina, compreendeu a necessidade da reforma agrária, expressão que aprendeu com um tio militante das Ligas Camponesas, através do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de União.

Militância Política

É fundadora da Central Única dos Trabalhadores no Piauí, da qual já foi presidente estadual e membro da direção nacional. Começou a militância sindical em 1978. Formada em Letras com habilitação em língua portuguesa e língua francesa pela Universidade Federal do Piauí. Em plena ditadura militar, deu início ao seu processo de consciência política, atuando nos movimentos sociais.



Sempre ao lado de Wellington foi vice-presidente do Sindicato dos Bancários e depois presidenta. Tornou-se presidenta do PT, o qual presidiu por seis mandatos alternados, e coordenou as campanhas vitoriosas de Lula e Wellington Dias, em cujo governo tornou-se secretária de Administração exercendo o cargo nos dois mandatos de Wellington à frente do Executivo Estadual.

No Senado, realizou audiências públicas sobre direitos trabalhistas, terras indígenas e quilombolas, violência contra a mulher e a população LGBT, previdência social, combate ao racismo, dentre outros temas. É autora de vários projetos tramitando no Senado, dentre eles o que garante mais proteção social a crianças com pai ou mãe encarcerados, permite o acervo de livros paradidáticos e de literatura infantil em salas de aula da educação infantil e dos cinco primeiros anos do ensino fundamental e o que garante transporte para mães e filhos recém-nascidos entre o local do parto e a residência e de lá ao serviço de saúde para complementação de exames.

Defende o empoderamento das mulheres como fundamental para a mudança política no país. Como também dá uma atenção especial às chamadas populações invisíveis, como as pessoas em situação de rua.

Carreira acadêmica

Profissionalmente, fora o trabalho na roça, começou com 15 anos, na biblioteca da União Caixeiral, colégio de classe média, em Parnaíba. Abria e fechava a biblioteca a noite, local onde leu muito e desenvolveu, mais ainda o gosto pela leitura. Também dava aula particular para alunos de escolas particulares da cidade. Em Parnaíba, uma vez formada professora pela Escola Normal Francisco Correia, deu aula na Escola Particular Dom Bosco e na Escola Eunice Weaner, da rede estadual, que era chamada “Preventório”, porque lá só estudavam filhos de pessoas com hanseníase, que na época eram chamados de leprosos. De vez em quando uma criança desenvolvia a doença e era afastada da escola, indo para o leprosário.

Em 1973, surpreendeu a família, fez vestibular para Letras, que só podia ser cursado em Teresina. Aprovada, começou a maratona de busca de emprego para viabilizar viver na capital. Procurou o Educandário Santa Maria Goretti, de propriedade das irmãs Teresinha e Tércia Leal, que conhecia de Parnaíba, tendo lá, sido auxiliar na correção do “dever de casa” dos alunos, ficando lá até 1978.

Em 1974, passou no concurso do Estado, e começou a trabalhar pela manhã na escola particular e a tarde na escola estadual Cecéu Oliveira, alfabetizando crianças. Formada em 1976, de novo fez concurso no Estado para dar aula no “ginasial”, sendo lotada no Colégio Eurípedes Aguiar. També deu aula no Centro de Cultura Francesa de 1975 a 1978, na UFPI.

Em 1982 fez dois concursos, para o INSS e para o Banco do Brasil. Foi aprovada nos dois e optou pelo Banco do Brasil, ingressando em 1983. Era o emprego dos sonhos das famílias brasileiras, à época. Antes, foi professora substituta, de Francês, no curso de Letras da Universidade Federal do Piauí, por concurso.

Já bancária, fez concurso para professora efetiva de Português da Universidade Federal do Piauí, aprovada em terceiro lugar, ficando em quinto, na prova de título, porque muitos tinham mestrado e ela não. Convocada a assumir a docência efetiva, renunciou à vaga e permaneceu no Banco do Brasil, tamanho era o engajamento político no sindicato.


Fonte: Governo do Piauí


Post a Comment

Grupo Ramos

Francinaldo Publicidades - Guadalupe

PUBLICIDADES

Francinaldo Publicidades - Guadalupe
Francinaldo Publicidades - Guadalupe