Francinaldo Publicidades - Guadalupe

Cientistas da Universidade da Catania, na Itália, relataram na revista científica “Journal of Infection” o primeiro caso de coinfecção dos vírus da varíola dos macacos (monkeypox), SARS-CoV-2 (Covid-19) e HIV. O paciente é um homem de 36 anos. 



Segundo o artigo, o paciente passou cinco dias na Espanha entre os dias 16 e 20 de junho. Primeiro, ele teve febre, dor de garganta, fadiga e dor de cabeça. O teste deu positivo para Covid-19.
Após testar positivo para SARS-CoV-2, uma erupção começou a se desenvolver no braço esquerdo e outras lesões começaram a aparecer. Devido à progressão das erupções, ele procurou o hospital.

No dia seguinte à admissão no hospital, ele fez o teste para monkeypox e o resultado também foi positivo – ele também seguia positivando para Covid-19. Os médicos também colheram amostras para uma série de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs). O resultado deu positivo para o HIV-1 (a versão mais comum).

Já no terceiro dia, quase todas as lesões começaram a se transformar em crostas. No sexto dia, os testes seguiam positivos para os dois vírus, apesar da ausência de novas lesões. Com a resolução dos sintomas, ele foi liberado para isolamento em casa e começou o tratamento de HIV.

"Nosso caso enfatiza que a relação sexual pode ser a forma predominante de transmissão (do vírus monkeypox). Portanto, a triagem completa de ISTs é recomendada após o diagnóstico de varíola dos macacos. De fato, nosso paciente testou positivo para HIV-1 e, dada sua contagem de CD4 preservada, poderíamos supor que a infecção era relativamente recente”, disseram os médicos.

Fonte: G1

Post a Comment

Grupo Ramos

Francinaldo Publicidades - Guadalupe

PUBLICIDADES

Francinaldo Publicidades - Guadalupe
Francinaldo Publicidades - Guadalupe